tonturas? é a terra que gira mais rápido agora
Entenda por que os dias ficaram mais curtos após o maremoto

 ano 3  -  n.5  -   jan./jun. 2005 

por Daniel Perdigão

Exploratorium.edu
Em qual destas posições você gira mais rápido?

O ano de 2005 será mais curto que o de 2004. "Claro, 2004 foi ano bissexto!", você poderia dizer. E tem razão. Mas há, também, outra razão para a diminuição do ano: a Terra está girando mais rapidamente desde o dia 26 de dezembro de 2004, no qual ocorreu, lamentavelmente, o grande maremoto que destruiu cidades inteiras no sul e no sudeste da Ásia.

Os maremotos são causados por abalos sísmicos, os "tremores de terra". O abalo sísmico do maremoto do fim de ano foi causado pela penetração de duas placas tectônicas, as placas de terra sobre as quais se apóiam os continentes e os oceanos: a placa indiana se colocou parcialmente embaixo da placa de Bornéu. O deslocamento de uma massa tão grande de terra, como a das placas tectônicas (do grego tektonikós - estruturais) provocou a elevação súbita do nível do mar nesse ponto em alguns metros. Na faixa costeira, a propagação dessa elevação leva à formação de ondas gigantes, as tsunamis, que destroem tudo o que se encontra em seu caminho e alagam áreas em pontos afastados até 2 km do litoral.

Isso você já deve saber. O que você provavelmente não sabe é a razão pela qual a Terra está girando mais rapidamente. Pois bem, aí vai: porque a placa indiana, que fica no hemisfério Norte, migrou para o norte. E isso quer dizer que essa grande massa de terra está, agora, mais próxima do eixo de rotação da Terra.

Explicando melhor: se a Terra gira, a placa também gira, certo? Como a trajetória da placa é circular, então, com a sua aproximação do eixo de rotação, o raio dessa trajetória diminuiu. Por fim, se o raio diminuiu, diminuiu também a circunferência, ou seja, o comprimento da "volta" que a placa percorre. Como a velocidade da placa permanece a mesma, se a "volta" ficou menor, o tempo para completá-la também diminuiu. Em outros termos: a velocidade linear da placa (em metros por segundo, por exemplo) permanece a mesma, mas a sua velocidade angular (em voltas por segundo, digamos) aumenta.

É o mesmo fenômeno que acontece num experimento clássico de Física: sente-se num banquinho giratório, com dois pesos de ginástica, um em cada mão, e os braços abertos. Comece a girar. Agora, aproxime os pesos em direção ao seu peito. O que acontece? Aumenta a sua velocidade de rotação. Isto porque os pesos, agora, têm um caminho mais curto a percorrer em cada volta, pois você os aproximou do eixo de rotação do banquinho, uma reta vertical que passa pelo seu centro.

Exploratorium.edu
Você já deve ter visto: com os braços fechados, o patinador aumenta a velocidade de rotação

Agora que você entendeu o fenômeno, vamos fazer algumas considerações. A primeira é: nem a placa nem os pesos mantêm, de fato, sua velocidade linear. Se a mantivessem, passariam a ter uma velocidade angular maior que a do corpo ao qual estão ligados. Ou seja, no mesmo período de tempo, a placa daria mais voltas que a própria Terra, ou os pesos dariam mais voltas que você. Obviamente, isso não acontece.

Como a placa ou os pesos estão ligados a outro corpo, eles entram em "sintonia" em termos de velocidade angular. A placa transmite parte da "velocidade" para a Terra. A placa fica um pouco mais lenta e a Terra, mais rápida, para que ambas tenham a mesma velocidade angular. No ensino Médio, aprendemos que a placa, na verdade, transmitiu parte de sua quantidade de movimento, grandeza representada pelo produto massa × velocidade, para a Terra. A quantidade de movimento assim representada é mais conhecida em Física como momento linear.

Aprendemos também que o momento linear total de um sistema se mantém em qualquer situação, desde que não haja forças externas a esse sistema. É o que diz o princípio de conservação do momento linear. No caso da rotação da Terra, as forças externas são realmente desprezíveis. Dessa forma, todo o momento linear que a placa perde, a Terra ganha.

A segunda consideração a fazer é: os físicos estudam este fenômeno com o auxílio de outra grandeza inventada por eles, o momento angular. Eles fazem isto por dois motivos: porque o movimento da Terra é circular, e não linear, e porque o momento angular permite uma abordagem matemática mais aprofundada. Mas, essencialmente, nada muda. Tanto é verdade que, há, também, o princípio de conservação do momento angular. Por curiosidade: o momento angular é definido como o produto momento de inércia × velocidade angular. O momento de inércia depende, essencialmente, da distância da massa ao eixo de rotação: reduzindo-se essa distância, aumenta-se a velocidade angular da massa.

E você, quer que 2006 seja ainda menor? Como estamos no Hemisfério Sul, você pode começar a levar um monte de massa (e ponha monte nisso!) ainda mais ao sul, aproximando essa massa do eixo de rotação da Terra. No entanto, tenho certeza, você sabe aproveitar melhor o seu tempo!

 

Outros fenômenos também influenciam

Além dos terremotos, outros fatores podem alterar a velocidade de rotação da Terra. Alguns deles são:
- atração gravitacional de outros corpos celestes, principalmente o Sol e a Lua;
- fatores meteorológicos, como ventos e chuvas;
- correntes marítimas;
- derretimento de gelo dos pólos;
- atrito entre o manto, o material viscoso do interior da Terra, e a sua crosta, que é sólida.


Cultura Secular

Revista de divulgação científica e cultural do Secular Educacional.

Comissão editorial
Daniel Perdigão Nass
Rodolfo Augusto Vieira

Jornalista responsável
Daniel Perdigão Nass (MTb/SP 37654)

Imprenta
São Carlos, SP, Brasil

ISSN 2446-4759